A obra que se segue é uma referência fundamental para a compreensão da temática dos ritos de iniciação das populações macuas e lómuès do Norte de Moçambique. Para além disso, devo realçar o facto de o Professor Eduardo da Conceição Medeiros ter colectado, analisado, sistematizado e explicado informação que corria o risco de se perder na voragem oportunista dos novos tempos, que primaram por branquear a história, a cultura e a memória de tradições moçambicanas ancestrais.

Este é um livro de história postal. Talvez não seja dificil haver uma aceitação quase espontânea desta etiquetagem: estuda uma sucessão de acontecimentos relacionados com o funcionamento da correspondência numa região durante um período de tempo passado. Mas, por isso mesmo, será interessante reflectirmos um pouco mais sobre o assunto, não nos deixarmos embalar pelas primeiras "evidências".

Graças ao Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto, a historiografia relativa à Escravatura, ao Tráfico de Escravos e ao Trabalho Forçado no contexto da colonização ganhou nova dinâmica. Investigadores da mais diversa proveniência têm emprestado ao fenómeno histórico uma atenção sistemática expressa em colóquios e publicações de que esta mesma é exemplo. Integrada nesse projecto global que prossegue.

Em 1971 tive oportunidade de publicar o que terá constituído a primeira expressão escrita de uma certa visão do homem moçambicano por ele próprio, em tempo nevrálgico e especialmente nevrálgico em quanto respeitava à sua afirmação identitária.

A importância da obra de René Pélissier para a historiografia da colonizaçãoportuguesa é dupla. Os seus trabalhos pioneiros sobre a evolução político -militar das colónias portuguesas dos séculos XIX e XX são desde
há várias décadas suficientes para o transformar numa referência obrigatória deste campo do conhecimento. Como se isso não bastasse, este autor iniciou paralelamente a mais completa revisão sobre a bibliografia recente destes territórios; no princípio sob a forma de recensões periodicamente publicadas em diversos periódicos, mais tarde reunindo -as em compilações mais ou menos extensivas.

Em finais dos anos 50 o colonialismo português - cego, surdo e mudo - apodrecia. Apodrecia. Os povos africanos reagiam ao trabalho forçado. os eternos escravos já decidiam fazer greves. E a resposta de Lisboa foia a pior possível: avançar com a guerra declarando que não havia guerra nenhuma.  Foram estas lutas de caráter laboral que, definitivamente, em Pindjiki, Mueda e Caçanje puseram nos carris o comboio da luta armada pelas independências.

R&D Supported by

R&D Unit integrated in the project number UID/HIS/0495/2016.

 

Contacts

Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto
Via panorâmica, s/n
4150-564 Porto
Portugal

+351 22 607 71 41
ceaup@letras.up.pt