2. Escala, ambiente e sociedades africanas

Este Grupo de Trabalho inclui projectos que se relacionem com Paisagem africana e Estruturas sociais, a maior parte dos quais sob a forma de estudos monográficos. Dele fazem parte os seguintes projectos:

 
2.1. Informação geo-espacial para o desenvolvimento e conservação do património no Sudoeste de Angola.

Este projeto pretende produzir sínteses regionais de conteúdo geográfico, histórico e antropológico regional que contribuam para a identidade histórica e ambiental do sudoeste de Angola, uma das regiões africanas mais afetadas pela desertificação. Visa ainda promover o debate sobre as entidades regionais, especialmente as africanas. Têm as regiões limites físicos, e/ou são elas principalmente entidades culturais (históricas)?

Assim, o projeto tem como finalidade mapear e analisar:

  1. O habitat e os sistemas agrícolas desta região. Pretende-se analisar em diferentes escalas (micro e macro) a atividade agrícola e o setor agropecuário. Pretende igualmente articular estas atividades com o seu ambiente (combinação de árvores ou arbustos com pastagens para produção animal) e identificar as suas tendências.
  2. A flora das variadas zonas ecológicas identificando plantas que sejam úteis para alimentação e a medicina. O projeto visa fornecer um inventário dos recursos ecológicos da região determinando a sua importância nas comunidades locais – tanto no combate à expansão do deserto como para usos médicos.
  3. Os sítios arqueológicos (pré-históricos e modernos) na Huila, Kunene e na província da Namibe. A arqueologia científica teve início em Angola no final do período colonial. Antigos e recentes sítios arqueológicos não foram inventariados e mapeados numa base de dados sistemática com referências GPS. Este será o primeiro passo para produzir uma tabela arqueológica dos distritos da Huila, do Kunene e do Namibe.

Principais resultados esperados deste projeto:

  • Uma plataforma digital disponibilizando informação relativa aos locais patrimoniais identificados.
  • Uma monografia regional.

Esperam-se que os resultados obtidos contribuam para o reforço da sociedade civil regional (o CEAUP irá colaborar com uma ONG de considerável impacto local, o Centro de Estudos do Deserto, sedeado no Namibe) de forma a providenciar ferramentas para os desafios sociais e ambientais.

 

2.2. Política Externa Africana e Partidos Políticos

As Políticas Externas dos Países Africanos, bem como as suas organizações politico-partidárias dos últimos 40 anos, ainda carecem de estudos monográfcos e não tiveram a devida atenção como áreas de análise académico-científica. Esta sub-linha de investigação do CEAUP visa:

  • centrar-se nas Políticas Externas e Partidos Políticos dos Estados Africanos;
  • inventariar as fontes arquivísticas e de imprensa;
  • recolher testemunhos orais, no sentido de se organizar um arquivo oral especializado;
  • organizar encontros científicos sobre “Políticas Externas dos Países  Africanos”, no âmbito de uma ampla rede de investigação que envolve também parcerias com instituições africanas.

 


2.3.  Regiões da África

R-de-A" visa caracterizar os espaços locais e regionais da África, no que diz respeito às inter-relações de espaços de poder, paisagens de representação e lugares de prática: "estudar localmente, pensar globalmente”. A natureza, a escala e a mudança são elementos estruturais cruciais da pesquisa e a representação cartográfica de seus resultados é obrigatória. Consiste em dois âmbitos de pesquisa autônomos, embora interrelacionados.

  1. Geografia Tropical Portuguesa (1945-1974). Esta linha de investigação pretende rever, com base numa base teórica explicitamente pós-colonial, o extenso corpo de trabalho desenvolvido pelas instituições portuguesas em África entre a Segunda Guerra Mundial e a Revolução dos Cravos. As fontes, a maioria delas escritas em português, estão arquivadas em várias instituições, juntamente com muitos trabalhos sobre países lusófonos e vizinhos. Os materiais devem ser submetidos a extensa crítica, indexação completa e publicação através Internet de exemplares bibliográficos e cartográficos.
  2. Regiões Africanas (Espaço, Paisagem e Lugar). Este cluster visa fomentar estudos regionais dos territórios africanos, enquadrados numa metodologia interdisciplinar. Dados de trabalho de campo coletados por pesquisadores de pós-graduação sob supervisão do CEAUP podem, sob cuidadosa gestão editorial, tornar-se excelentes sínteses em regiões africanas específicas. Três teses de mestrado e uma de doutorado devem prosseguir em cada um dos cinco anos entre 2018-2022. Será organizado uma base de dados de relatórios e estudos monográficos.



2.4. Cinema Africano e Patrimónios Literários

Esta linha de trabalho assenta no modelo dos estudos comparatistas de literatura e, em particular, nos estudos inter-artes.

O seu objeto de trabalho será o cinema africano, a começar pelo da África lusófona (frequentemente com colaboração portuguesa, brasileira, cubana ou francesa), mas incluindo também o que se faz noutras línguas.

Com o objetivo geral de estudar e de dar a conhecer algum deste cinema, estudar-se-á o contacto de escritores africanos com o cinema – tanto no período colonial como em contexto pós-colonial –, a importância que ele teve na sua formação ou nas suas obras; a adaptação de textos literários para o cinema; o efeito reverso da literatura sobre algum cinema.

Para além de colóquios e da escrita de artigos sobre o tema, serão organizadas mostras de cinema africano em colaboração com outras entidades culturais.

Apoio

Unidade I&D integrada no projeto com referência UID/HIS/00495/2019.

 

Contactos

Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto
Via panorâmica, s/n
4150-564 Porto
Portugal

+351 22 607 71 41
ceaup@letras.up.pt